segunda-feira, 3 de maio de 2010

Acção de Graças


Aprendemos, à medida que vamos envelhecendo, por onde passa a nossa a felicidade. Aprendemos que, em muitos casos, a nossa felicidade é balizada pela nossa finitude.

Ser finito é não saber o que o destino nos vai trazer, é navegar sem horizonte, é agarrar o que nos aparece e procurar retirar disso o melhor.


Neste momento, olho para cima, cumprimento o meu Pai e agradeço.

Agradeço ser finito e confiar que há infinitude, que há mais que coincidências, que há alguém que zela, aqui e ali, por nós.

Agradeço que o meu horizonte tenha surgido no dia em que conheci a Maria e que, a partir daí, tenha perdido o medo do escuro. Ainda há escuro, e ainda tenho medo, mas já tenho a quem dar a mão!

Maria, és o melhor que já me aconteceu e, dentro da minha finitude, amo-te e havemos de continuar a mostrar que vale a pena gostar e construir em conjunto. O teu e o meu são agora nossos!

Agradeço, que a nossa família permaneça unida nos mais fortes laços que nos unem. A nossa família, que é o nosso suporte fundamental e que agradeço - porque só podemos agradecer que exista e que dure enquanto família para além do horizonte dos dias.

Agradeço os nossos amigos… e amizade é estar presente, dar sem receber, ser maior do que a finitude. E os nossos amigos são verdadeiros conspiradores da nossa felicidade. Agradeço-Te a Ti e a eles por isso.

Aquilo que se celebra aqui, hoje, é, em boa verdade, a Amizade.

- A amizade cúmplice que, eu e a Maria, alimentámos enquanto compromisso, uma amizade que não deixa o nosso Amor falhar.

- A amizade inevitável que fez com que a nossa família se deslocasse até aqui para nos acompanhar, uma amizade responsável pela nossa formação enquanto pessoas e, agora, enquanto família.

- A amizade genuinamente generosa que faz destes nossos amigos, participantes e responsáveis por este Matrimónio e pela indiscritível felicidade que hoje sentimos.

Estas amizades verdadeiras, vão muito para além do que a vida é e nem sei como se agradece uma dádiva destas..

Muito temos ziguezagueado na vida e a única constante foi ter-te a Ti, e a ti, Maria. Só peço que assim continue a ser: que continuemos abençoados pelo Amor dos que nos rodeiam e que continues connosco neste caminho em que nos puseste lembrando-Te de nós, da nossa família, dos nossos amigos e da nossa Finitude.

4 comentários:

  1. Senhor! Que discurso poderoso, meu... Estava capaz de chorar outra vez. Bolas, bolas, bolas. Beijinhos!

    ResponderEliminar
  2. este, foi para mim, o momento mais emociante e mágico do dia! um texto perfecto que reflect toda a nossa amizade!! obrigado alex e maria por este instante de felicidade!!

    ResponderEliminar
  3. às vezes temos medo de dizer certas coisas, porque já foram ditas tantas vezes, de tantas formas, que até parece redundante (ou em vão) tentar pôr em palavras algo muito difícil de descrever, com medo de estragar, ou de desvalorizar com palavras algo que é demasiado perfeito para se correr esse risco.
    isto, obviamente, só contraria essa tendência. foi das coisas mais bonitas que ouvi e, para além de me tocar, lembrou-me que às vezes não devemos ter medo de fazer o esforço por o transmitir.

    obrigada.

    ResponderEliminar

Tesouradas