terça-feira, 16 de junho de 2015

Caminho de Santiago: Chegada


O campo de estrelas semeado para San Tiago é uma transformadora chegada. 
Não houve Botafumeiro só um chuveiro que chegou para nos lavar a almar.
A Santiago chega-se mudo. De impacto e não cansaço.


Caminharia muito mais para sentir isto de novo. Caminharei de novo, certamente.

Agora que aqui cheguei confirma-se a comoção sorridente.
Agora que aqui cheguei sei com tranquilidade que o caminho começa agora.

Até aqui encontrei gente de todo o lado. Quase todos repetentes do Caminho, ano após ano.

Kelma, a brasileira bonita, devota de Santiago veio três vezes e encontrou-nos agora.
Waldemar tem as raízes no Quirguistão e a família na Alemanha. Tudo o que tem de material na vida está nos 12 kg da sua mochila. É programador. Ganha bem. Trabalha em Hannover mas busca a redenção no Caminho.
Os portugueses de Viana que encontrei num tasco traziam aquela alegria típica da boa fé minhota. Ofereceram-nos tortilla no tasco e um abraço quando nos encontramos agora dentro da Catedral.
Iñaki é um basco. Entrou-nos pelo albergue dentro. Alucinado de cansaço. Veio de Lisboa. Achou Ponte de Lima 'une petite delicatessen'. Era magro como um cão mas não era elegante como um galgo. Tinha cara de lobo do mar. E era irascivelmente basco de Pamplona.

O caminho o que traz é ligação.

Nas cidades vamos construindo camadas betonadas que nos separam da terra que, garantem os pediatras, só faz bem à resistência dos miúdos.
Tantas camadas urbanamente cinzentas e essa outra camada da tecnologia aproximam-nos, sem dúvida, dos outros e distraem-nos de nós.

Muito do que nos achamos é pelos outros que o aprendemos mas não há como estar ligado à terra. Ligado em mim. Uno.

Precisaremos, como de pão, de reconhecer o que nos torna comuns e parte dos outros. Mas desligados de nós seremos vultos ou felizes papagaios de papel que voam a favor do vento.

O Caminho não se conta, faz-se! Venham. Eu voltarei!

Obrigado pelo vosso apoio. Isto não cansa mas convosco soube melhor 😀

Chegámos às 12h30

Sem comentários:

Enviar um comentário

Tesouradas