quinta-feira, 11 de junho de 2015

Caminho de Santiago: a Labruja


Era a Labruja, gente. Qual Adamastor dos mares. Foi superada!
Passo a passo enchem-se os olhos de motivos para amar esta terra bonita. (O amor telúrico de Miguel Torga devia ser monumento nacional, nestes tempos de crise.)
Não faço o caminho porque é fácil, mas porque não podemos continuar a recear o Caminho.
A vida não é asséptica: não podemos recear tanto as dores nas pernas. O que interessa é andar! 
São tantos os cheiros a flores e a terra fértil que dá vontade de os trincar.
São tantos os verdes que percebes que a esperança não vai acabar.
O verde Minho é a terra da esperança...
‪#‎aipernas‬ ‪#‎santiago‬

Sem comentários:

Enviar um comentário

Tesouradas